Os heróis reais

Conteúdo originalmente publicado no jornal Hoje Em Dia


Hoje quero me dirigir aos trabalhadores, sejam eles autônomos, profissionais liberais, empregados no regime de CLT, microempreendedores, enfim...a todos que movimentam a economia deste país, afinal se existe uma qualidade que, inegavelmente, pode ser atribuída ao brasileiro é a sua capacidade de labutar, mesmo quando os cenários parecem não ser favoráveis.

Nestes tempos de pandemia, inclusive, redescobrimos/criamos um novo olhar para alguns profissionais, cuja força supera qualquer super-herói da Marvel. Isso porque, ao contrário dos heróis da ficção, eles são reais e existem. Em vários setores temos ‘super-homens’, ‘mulheres maravilhas’, ‘incríveis Hulks’. Eles estão nas ruas mantendo vários segmentos essenciais da economia. Não pararam um dia sequer.

Como exemplo, posso citar os profissionais dos supermercados e hortifrutis, que graças ao trabalho desempenhado garantem o abastecimento da população.

Outra categoria importantíssima neste momento e que merece nossos aplausos é a dos entregadores de delivery, modalidade de vendas que cresceu bastante nas últimas semanas, devido a quarentena. Esses trabalhadores são um elo primordial entre clientes e empresas. Além disso, fundamentais para que os estabelecimentos de alimentação fora do lar continuem operando, mesmo que de forma modesta.

Não posso deixar de destacar os garis e motoristas de ônibus que, mesmo diante do isolamento social, não deixam de cumprir sua função; e os jornalistas/profissionais da imprensa, atuando incansavelmente para informar a sociedade em um momento no qual a informação seja, talvez, ferramenta essencial para salvar vidas.

Por fim, mas não menos importante, deixo meu abraço a todos os profissionais de saúde que estão na linha de frente dos hospitais acolhendo os pacientes com a COVID-19. Incluo nessa lista médicos das mais diversas especialidades, enfermeiros, técnicos de enfermagem, técnicos de laboratório, além de pesquisadores e cientistas, debruçados na busca de uma vacina ou medicamento capaz de parar o vírus. Muitos desses trabalhadores, infelizmente, já perderam a vida desde que a pandemia começou a se alastrar no Brasil e em todo o mundo.

Espero, sinceramente, que a rotina solitária e, sobretudo, de risco de todos esses profissionais não perdure. Vale lembrar que Minas Gerais tem apenas 4% dos leitos ocupados por pacientes com coronavírus, segundo dados do Governo do Estado. Este, por sua vez, publicou essa semana o programa ‘Minas Consciente’, que sugere possibilidades para os prefeitos dos 853 municípios do Estado promoverem a reabertura gradual e responsável da economia de suas cidades. Sendo assim, acredito que estamos no caminho para a liberação da forma como foi proposta.

Que sigamos fortes, perseverantes e, acima de tudo, confiantes. Dias melhores estão por vir.

Ricardo Rodrigues – Presidente ABRASEL-MG e Coordenador da Frente da Gastronomia Mineira

0 visualização