Vamos olhar mais para nossa casa?

Conteúdo originalmente publicado no jornal Hoje Em Dia


Essa semana estive em Tiradentes para compromissos profissionais e, ao chegar na cidade, não consegui encontrar apartamentos de solteiro para me hospedar em duas das pousadas pelas quais passei. Estavam todos esgotados. Detalhe: isso em plena quarta-feira. Os restaurantes também tinham um movimento bastante considerável para um típico dia de semana,

A mesma sensação de boom do turismo que senti em Tiradentes, percebi, também, na semana passada, ao visitar a Serra do Cipó. Em plena sexta-feira, de 18h às 22h, me deparei com uma estrada com fila indiana de carros, seguindo na direção do famoso distrito, conhecido por suas belas cachoeiras.

Escolhi esses dois relatos iniciais para o artigo de hoje pois quero compartilhar com vocês uma impressão que começo a ter do nosso turismo. Sabemos bem que a pandemia ainda deixa muitas pessoas receosas em viajar para fora do Estado, quiçá para outros países. Por outro lado, como os poderes públicos municipais, aos poucos, estão liberando a volta das atividades econômicas e comerciais, não é equivocado afirmar que todo este processo de flexibilização poderá resultar na expansão do turismo local. Isso porque a população, para se sentir mais segura, naturalmente vai adotar o modelo de viagens curtas, para dentro do próprio território mineiro.

Nem preciso dizer o quanto esse movimento é fundamental para vários segmentos da cadeia produtiva do turismo in loco, incluindo o setor de alimentação fora do lar, afinal uma das necessidades básicas de qualquer viajante, além de ter um lugar para se hospedar, é ter também um local para se alimentar.

Talvez esse seja o cenário mais propício para os mineiros começarem a olhar suas próprias belezas. Longe de mim dizer que esse olhar não existia antes, mas agora é óbvio que muitos de nós passaremos a perceber o que sempre tivemos, porém sob outras perspectivas, já que o lazer, pelo menos por ora, sendo feito por aqui, terá um custo mais baixo, além de garantir mais segurança.

Acredito que agora seja a hora dos grandes polos de turismo mineiro investirem ainda mais nas micropotências que esse Estado reúne e que juntas constituem um belo e surpreendente mosaico. E quando falo em investimento refiro-me, por exemplo, a uma comunicação interligada entre os diversos setores, entre eles o hoteleiro e o gastronômico. Todos devem trabalhar em sinergia para oferecer total segurança ao turista, de modo que este não tenha medo de sair de sua casa neste momento de pandemia.

Se existe um legado positivo da Covid-19 é o fato de que, a partir dela, passamos a olhar mais para dentro de nós. É isso. Que possamos estar mais atentos às nossas riquezas. Elas são muitas.

Ricardo Rodrigues – Presidente ABRASEL-MG e Coordenador da Frente da Gastronomia Mineira

0 visualização